Loading...
| | |

Vinho,como reconhecer sem ser um especialista.

O tema que estou abordando, sei que é muito extenso e eu como leiga não tenho a pretenção
de escrever qualquer coisa que não fosse baseada em gente que entende ok????
Estive em Mendoza em uma vinícula linda chamada Terrazas
e aprendi o básico pra não fazer feio,só isso......rsrsrsrsr
Então vamo lá........


Uma dúvida cruel persegue muita gente na hora de comprar um vinho: Qual é o melhor vinho?

Muitos são levados pelo preço, outros pela idade da bebida, mas existem três passos que permitem detectar se o vinho é realmente de qualidade.
1. Exame visual:

O primeiro passo é colocar uma quantidade de vinho correspondente a 1/3 ou, no máximo, metade do volume da taça.

Depois inclina-se suavemente a taça de modo a melhor visualizar a superfície de vinho a ser observado que se torna elíptica e, portanto, maior.
Contra um fundo branco (uma folha de papel, um guardanapo ou a toalha da mesa) devem ser observados os seguintes aspectos:
Limpidez: Os vinhos de longa guarda, com o tempo, vão formando depósitos no fundo da garrafa e, se agitados, dispersam-se no vinho. Exceção feita a esses vinhos, todo vinho correto deve apresentar-se límpido, isto é, sem partículas em suspensão e sem depósito. A presença dessas partículas, geralmente, indica que o vinho é mal feito ou está deteriorado.
Transparência: Um vinho correto não pode estar turvo, deve apresentar-se transparente. Isto pode ser constatado colocando-se por baixo da taça um papel contendo texto. Observando-se através do vinho deve-se conseguir ler a palavra.

Brilho: As características de limpidez, viscosidade e transparência reunidas causam reflexos intensos nos vinhos, os quais podem apresentar um aspecto brilhante. Em princípio, não é um sinal absoluto de qualidade, mas os grandes vinhos em geral apresentam brilho intenso.


Viscosidade: Todo vinho deve apresentar viscosidade, que é uma certa aderência do líquido nas paredes da taça, quando é agitada e colocada em repouso, o vinho escorrerá da parede da taça, lentamente, em filetes, denominados lágrimas, pernas ou arcos. A formação das lágrimas é devida à tensão superficial e evaporação de álcoois do vinho, especialmente o glicerol. Um vinho com pouca densidade é um vinho "aguado", escorre rapidamente nas paredes da taça, o que indica que esse vinho terá pouco corpo, e não terá na boca aquela sensação aveludada.

Gás: A maioria dos vinhos no mundo são vinhos "tranqüilos", isto é, sem gás. Somente os vinhos espumantes (Champagnes), e os frisantes (Frascati) devem apresentar gás carbônico, observável na taça.
Cor: A cor de um vinho deve ser examinada cuidadosamente, pois fornece informações importantes sobre o vinho. Depois da observação geral da cor, deita-se a taça, e examinando-se a superfície do vinho que tem forma elíptica. Poderão ser identificadas duas regiões: a região central ou olho onde a cor é mais concentrada, e a borda periférica ou anel que tem cor menos concentrada, pois o volume de vinho é menor nessa região e a cor fica esmaecida.

Com o envelhecimento, os vinhos tintos vão tomando tonalidade alaranjada e chegam até à cor de tijolo. Embora o olho possa ainda estar vermelho intenso, a mudança começa a ser percebida no anel. Já nos brancos o envelhecimento provoca mudança de cor amarelo palha para dourado

2. Exame Olfatório:

O sentido do olfato é percebido na cavidade nasal, numa pequena área da mucosa, de poucos milímetros de extensão, onde se localizam as células nervosas responsáveis pela captação dos estímulos olfatórios. Esse teste é realizado colocando-se o nariz dentro do copo e cheirando vigorosamente, de preferência alternando-se as narinas direita e esquerda.
Deve-se observar se os aromas estão agradáveis ou não, caso estejam desagradáveis significa que o vinho não foi bem feito, é de má qualidade ou está deteriorado.
Um bom vinho deve ter aromas facilmente perceptíveis embora não necessariamente intensos. Os vinhos inferiores são fracos em aromas. Os grandes vinhos têm aromas intensos ou sutis porém complexos
                                       3. Exame Gustativo:

Realiza-se colocando um gole não exagerado de vinho na boca e deixando-o girar lentamente no seu interior, de modo a permitir que ele entre em contato com as regiões da lingua que são diferentes em relação à percepção dos sabores. Um bom vinho deve ter sabores agradáveis de boa intensidade e compatíveis com o tipo de vinho. Por exemplo, em um vinho seco não se espera encontrar sabor doce.
Sabores:
Doce: Os receptores gustativos para o sabor doce estão na extremidade anterior da língua.
Ácio: É percebido nas porções laterais da língua. É mais acentuado nos vinhos jovens do que nos velhos e mais nos brancos do que nos tintos.
Amargo: Percebido na região posterior da língua, deve estar presente, mas não muito intenso a ponto de ser desagradável.
Salgado: Não deve existir no vinho, mas, em certos vinhos de aromas minerais, percebem-se sabores também minerais ou metálicos que lembram o salgado. Esta característica denominamos SAPIDEZ do vinho.
Ficou com água na boca né?? Então corra lá, compre um bom vinho e tenha uma ótima degustação!


. Lembre-se: Em qualquer caso, no presente, como na vida, a moderação é o caminho para o sucesso, você sabe.

Fonte: ahoradorango,hubpages.com/

0 Response to "Vinho,como reconhecer sem ser um especialista."

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...